JUROS, FINANCIAMENTOS E BONS NEGÓCIOS: SAIBA TUDO SOBRE TAXA SELIC E ENTENDA COMO ELA AFETA O VALOR DO SEU IMÓVEL! – Imobiliária Santamérica
Revista Santamérica
 
JUROS, FINANCIAMENTOS E BONS NEGÓCIOS: SAIBA TUDO SOBRE TAXA SELIC E ENTENDA COMO ELA AFETA O VALOR DO SEU IMÓVEL!

O mês de agosto de 2020 inicia com indicativo de bons negócios para o mercado imobiliário com a baixa da taxa Selic, isso significa mais vantagens na hora de negociar financiamentos, negociar juros e investir!. Mas você sabe como ela funciona?
Além de oscilações do mercado, e da busca de ofertas de imóveis na sua cidade, há um fator importante que pode fazer muita diferença na hora de comprar ou negociar a venda de um imóvel. Poucos proprietários se dão conta disso, mas variações na taxa Selic podem causar grandes mudanças nos preços. 

A Selic, ou taxa Selic, é a taxa básica ajustada dos financiamentos diários apurados no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia para títulos federais de juros da economia. A cada 45 dias (1,5 mês), a Taxa Selic é divulgada após reuniões do Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) quem define medidas para reduzir a taxa, e até controlar juros básicos e fazer cortes quando achar necessária. E nesta semana, abriu o mês de agosto de 2020, com uma marca histórica: ela ficou definida em 2% ao ano segundo definição do Copom

Segundo divulgado pelo Valor Investe, é a taxa de referência mais baixa desde 1999, quando o nível de preços no Brasil passou a ser controlado pelo regime de metas de inflação. Esta redução ocorreu em um momento de forte contração do PIB mundial, em razão da pandemia do novo coronavírus.

Logo, é uma ótima oportunidade para negociar condições e aproveitar juros e taxas mais reduzidas que estarão disponíveis como consequência deste valor.  Por exemplo, ao baixar o juro básico, o BC estimula redução dos juros bancários e alta no crédito.

A seguir, iremos explicar para você como esta taxa pode influenciar nos seus investimentos de imóveis. 

Taxa de juros –  Como forma de regulamentar questões da economia, e também estabelecer medidas para evitar altas da inflação, por exemplo, o Banco Central (BC) atua diariamente por meio de operações de mercado aberto – comprando e vendendo títulos públicos federais – para manter a taxa de juros próxima ao valor determinado previamente. Este tipo de medidas influencia em investimentos e taxas variadas ligadas ao Tesouro Direto e também o tesouro Selic. Esta Selic, serve de referência para os demais juros da economia, é a taxa média cobrada em negociações com títulos emitidos pelo Tesouro Nacional, entre outras.

Sempre quando a Selic é mantida no mesmo patamar, o Copom considera que as alterações anteriores nos juros básicos foram suficientes para chegar à meta de inflação.

Ao reduzir os juros básicos, a tendência é diminuir os custos do crédito e incentivar a produção e o consumo. Quando o Copom aumenta a Selic, a finalidade é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Os títulos do Tesouro são certificados de dívida emitidos e vendidos pelo próprio governo através do Sistema Especial de Liquidação e Custódia.

É muito importante entender, no entanto, que a maioria dos títulos do tesouro é comprada por grandes instituições financeiras. Isso acontece porque, por lei, toda instituição é obrigada a depositar uma parcela dos depósitos recebidos no dia em uma conta no Banco Central. 

Taxa Selic e o mercado de imóveis – Os dois fatores estão em constante união. A maioria das pessoas, ao decidir investir em uma casa ou apartamento, precisa procurar um credor para obter um financiamento. 

Uma vez que a taxa Selic está em alta, por exemplo, o futuro investidor precisará de maiores condições para poder arcar com os juros e valores gerados por esta alta. O contrário acontece, quando a taxa Selic está baixa – como agora, em agosto de 2020 -, a facilidade para conseguir liberação de crédito é melhor, ela aumenta, uma vez que o mercado e o Governo tendem a estimular o consumo e os negócios, progressivamente, vão se movimentando. 

Por exemplo, imagine que dentro de um ciclo, a taxa Selic sofra um aumento de 15% para 17%, como consequência disso, a taxa de juros vai ser MAIOR, o que fará com que menos gente queira gastar dinheiro, logo a compra de imóveis novos vai DIMINUIR.

Quando os juros aumentam, os eventuais compradores ficam com receio de fazer financiamentos, isso acontece porque é sempre sinal de uma fase mais instável do mercado. Numa situação assim, fechar negócio envolve parcelas maiores o que, a longo prazo pode acabar pesando no orçamento. Uma vez que a Selic e os juros aumentam, e muitos clientes desistirem de abandonar negócio, a procura por imóveis diminui consideravelmente. 

Taxa Selic e o aluguel – E se eu não for um proprietário de imóveis e ainda pagar aluguel, a taxa Selic interfere nos meus orçamentos? Com certeza Ela interfere em todo o mercado imobiliário, inclusive, mudando os preços de aluguel. Uma vez que a taxa estiver mais baixa, os valores para locação também diminuem, o que faz com que mais pessoas procurem aluguéis. 

De acordo com especialistas, uma situação diferente é se a taxa já estiver seguindo um caminho de baixas seguidas (decréscimo). Como é simples de entender, os juros caem, as parcelas caem também e a procura por imóveis cresce. Na hipótese de um cenário assim, os compradores de modo geral se sentem mais confiantes para fazer um financiamento e as empresas conseguem mais negócios no mercado. 

Estimativas – De acordo com informações da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), a meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é 4% em 2020, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 2,5% e o superior, 5,5%. 

As instituições financeiras consultadas pelo BC projetam inflação menor que o piso da meta, em 2020. A projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é 1,63% este ano. Para 2021, a estimativa é 3%, abaixo do centro da meta (3,75%).

Viu como funciona? Sem dúvida, são bastantes dados, no entanto, entender essas dinâmicas é imprescindível para aproveitar boas oportunidades de investir de forma assertiva, e garantir o melhor proveito dos seus investimentos em imóveis. 

Ficou com alguma dúvida? Entre em contato conosco! Qualquer dúvida, ficaremos felizes em ajudar você.

Conheça nossos imóveis que estão a venda.